PROJETO EDITORIAL 2017

Introdução

Redação da Folha Karime Xavier / Folhapress

Neste documento, a Folha destaca a relevância do jornalismo profissional para manter nítida a distinção entre notícia e falsidade.

No mesmo texto, argumenta que jornais pautados pelo diálogo pluralista fazem contraponto à intolerância que assola as redes sociais, acentuada pela recente onda internacional de populismo nacionalista ultraconservador.

Desde o início dos anos 1980, este jornal divulga textos que são considerados versões atualizadas de seu Projeto Editorial. Nesses documentos, a Folha analisa o ambiente em que atua e renova suas diretrizes jornalísticas.

Ao lado do texto, divulga-se agora, pela primeira vez, uma lista de 12 princípios que sintetizam os compromissos editoriais, políticos e éticos.

A nova versão do Projeto Editorial reconhece uma demanda mal atendida por informações proveitosas e inspiradoras, sem prejuízo da prioridade dada a enfoques críticos e à busca da notícia exclusiva.

Sugere que as reportagens deveriam ser mais conclusivas, indicando, quando viável, prós e contras das soluções para os problemas apontados.

Considera legítimos novos formatos publicitários, definidos como conteúdo patrocinado, desde que fique clara sua natureza não jornalística.

O videojornalismo e a reportagem que garimpa bases de dados são elencados entre os campos nos quais há muito a desenvolver.

A edição impressa é tomada como versão de referência do último ciclo noticioso, enquanto a plataforma digital se renova no decorrer do dia.

O jornal mantém uma perspectiva liberal diante da economia, da política e dos costumes. Reitera que procura praticar um jornalismo crítico, apartidário e pluralista. E salienta a dimensão analítica, interpretativa e opinativa capaz de iluminar os fatos.

Outras características da Folha, voltadas à autocrítica e à retificação de erros factuais identificados, também são reafirmadas.

Cinco textos do Projeto Editorial foram elaborados nos anos 1980. A versão anterior do documento foi divulgada em 17 de agosto de 1997.

O texto que se publica a seguir deverá constar da abertura da nova edição do Manual da Redação, a ser publicada no segundo semestre deste ano. As edições anteriores do Manual foram lançadas em 1984, 1987, 1992 e 2001.